Menu Indiano

Estou cada vez mais viciada em reproduzir receitas de refeições que vou comendo por restaurantes sem saber ao certo o que levam. Já aconteceu aqui, aqui e aqui com umas refeições das férias grandes de 2014 e mais recentemente com esta de um restaurante onde costumo almoçar perto do meu local de trabalho.

Trago uma refeição rápida inspirada num menu vegetariano que servem neste restaurante igualmente perto do meu trabalho que costumo ir muitas vezes, servem uns menus rápidos e super saborosos de comida Indiana. Começam por colocar na mesa, uns papadum com diferentes molhos e a refeição vem numa bandeja redonda no caso do vegetariano, uma taça de lentilhas (verdes ou vermelhas dependente do dia), umas fatias de pão naan, arroz basmati simples, com toque de açafrão ou colorido e uma saladinha para acalmar os animos. É um restaurante simples, mas que está quase sempre cheio, servem muito rápido o que para quem tem apenas uma hora de almoço acaba por ser bastante prático, acompanham com um chá de especiarias ou o habitual lassi Indiano.

Hoje, para vos mostrar mais uma bonita panela da Le creuset, trago a minha interpretação do menu do Zaffran. Podem também encontrar neste post o toque de uma especiaria nova que "criei" numa brincadeira que fiz com o logotipo do Instagram à umas semanas, apenas retirei alguns grãos de cardamono e de pimenta para não ficar demasiado forte e coloquei tudo no robot de cozinha, ficou um sabor forte mas super perfumado, não passou de uma brincadeira mas não queria deixar de partilhar aqui no blog.

Alguns ingredientes que usei neste post são pouco comuns em alguns supermercados, podem encontrar todos à venda nas lojas Indianas do Martim Moniz em Lisboa. As sementes digestivas, o papadum, todas as especiarias (expecto a que mistura que fiz) e também o pão naan, caso não queiram fazer em casa.




Ingredientes: 2/3 pessoas
Arroz:
150g de arroz Basmati
10 grãos de coentros
sal, azeite q.b.
1 colher de chá (por tigela) de sementes digestivas Mukhwas

Coza o arroz em água, um fio de azeite e umas sementes de coentros para aromatizar o caldo. Depois de cozido, escorra alguma da água que possa existir e caso seja do seu agrado, adicione uma colher de sementes digestivas coloridas, antes de comprar prove, porque têm um sabor um pouco forte e há quem não seja fan (o meu marido por exemplo).

Lentilhas:
1 cebola roxa
2 dentes de alho
1/4 de pimento vermelho
1 tomate grande maduro sem pele
250g de lentilhas laranjas
sal q.b.
1 colher de chá de coentros em pó
1 colher de chá de gengibre em pó
1 colher de chá de paprika doce
1 colhere de chá de sementes de mostarda preta
1 colhere de chá de sementes de mostarda branca.
1 colher de chá de uma especiaria a gosto, eu usei a deste logo
azeite q.b.


Pique a cebola em pequenos cubos, de seguida o alho e o pimento vermelho e reserve. Ao tomate retire a pele e as sementes, corte em pequeno cubos e reserve também.

Lave as lentilhas muito bem em água corrente, até a água sair limpa.

Numa pequena caçarola adicione o azeite, deixe aquecer e junte as especiarias uma a uma mexendo bem sem deixar que torrem, depois de incorporadas com azeite, junte a cebola, o alho e deixe refogar uns minutos. De seguida junte o pimento, saltei mais uns minutinhos e por fim o tomate e deixe que se desfaça. Incorpore as lentilhas previamente lavadas, envolva com a colher de pau e junte a água. Eu usei (2/2 partes de água para as 250g de lentinhas) porque queria que as lentilhas tivessem bastante molho, para mais tarde ser absorvido pelo pão naan. Tempere com sal, rectifique alguma especiaria e antes de desligar sirva com uns coentros frescos.

Papadum para os molhos (eu usei com sabor normal, sabor de pimenta preta, red chilli e alho)
Para o papadum basta seguir as instruções que se encontram na embalagem, eu basicamente coloco uns segundos no micro-ondas e fico atenta para que não fiquem demasiado tempo e torrem. A ideia é ficarem irregulares, com algumas bolinhas lá pelo meio e muito estaladiços.


Molhos:
verde:
2 colheres de sobremesa de coentros frescos
1 fio de azeite
2 colheres de sobremesa de iogurte grego sem açúcar
pimenta verde q.b.

Branco:
2 colheres de sobremesa de iogurte grego sem açucar
sal qb.
1 colher de mangerona seca
1 pitada de mostarda em grão preta e branca

Picante:
2 colheres de sopa de azeite
1/2 malagueta (média) seca c/ ou s/ sementes
1 colher de chá de paprika picante (ou um piri-piri em pó)
umas folhinhas de salsa fresca.

Para os molhos basta juntar os ingredientes todos muito bem, idealmente num almofariz e colocar no frigorifico até servir em diferentes taças, o picante não o coloquei e até se pode fazer é preparar numa dose grande para guardar na dispensa num frasco bem fechado, para estar pronto a usar, fica um azeite aromatizado com um extra picante para ocasiões como esta.



Pão Naan:
Como já aconteceu aqui, continuo a ser fiel à receita do blog Chilli com todos.

Salada:
4 pepinos (do tipo cornichons frescos)
5 tomates cereja
1/2 cebolinha
2 folhas de alface
1 colher de sopa de coentros frescos
azeite/vinagre q.b.
flor de sal de limão
sementes de mostarda q.b.

Corte os pepinos em fatias com 4mm, os tomates em 3 partes, a alface a gosto, os coentros e a cebolinha picados. Envolva tudo e tempere a gosto, eu temperei com azeite, vinagre de cidra, sal e sementes de mostarda.

Sopa de funcho e manjericão


E lá se foram as férias, as caminhadas até ficar com os pés cansados, a piscina, a praia, o calor, os lanches até mais não, a comida sem olhar às dietas - se bem que este ano estão bem esquecidas para estes lados... Passou rápido, mas foi maravilhoso. Estive ausente aqui do blog mas nunca do Instagram, confesso que é a única rede social que ainda não consigo viver sem, como tudo um dia certamente passará, mas até então adoro retratar o que vejo (ou mais o que como) com um simples de telemóvel, sem o cuidado que já me habituei a usar aqui no blog.

Custa voltar à rotina, mas adoro voltar a casa e à minha cozinha. Quase sempre que a minha primeira refeição depois das férias de verão é uma sopa, sinto mesmo saudades de uma sopa leve depois de tantos exageros. Para este ano trago uma sopa de funcho e manjericão, inspirada numa sopa fantástica de aipo que comi no jantar do Kinfolk, pelas mãos do cozinheiro de serviço o Filipe do blog Chili com todos. Não cheguei a pedir a receita ao Filipe, falámos sobre ela mas acabei por usar ingredientes que tinha por casa neste domingo, o sabor ficou muito bom, se bem que diferente do original, mas o bacon e o manjericão fizeram-me lembrar a sopa servida naquela noite.Aqui vai a receita, pode ser que ajude a quem depois das férias queira também começar por uma sopa leve, tal como eu.Uma boa semana!
Ingredientes: (4 pessoas)
1 alho francês
2 dentes de alho
1 chalota
1 cabeça de funcho
1 courgete
1 nabo 
1/3 talo de aipo
azeite q.b.
flor de sal
6 fatias de bacon fumado

Molho:
1 colher de sopa de manjericão 
1 colher de sopa de azeite

No forno pré aquecido a 180º, coloque um tabuleiro com uma grelha por cima e as fatias de bacon e deixe durante uns 40 minutos, aproveite a cozedura se estiver a fazer um bolo ou uma tarte para não desperdiçar tanta energia.

Numa panela alta ou na Bimby, coloque um fio de azeite, o alho francês (parte branca e verde) cortado às rodelas, os dentes de alho e a chalota e deixe refogar durante 5 minutos. De seguida adicione a batata descascada e partida em quatro, a cabeça de funcho cortada grosseiramente, a corgete, o nabo descascados e cortados em 4 e o talo de aipo partido. Regue com água e coza durante uns 25 minutos e tempere. 

Passe com a varinha mágica ou na bimby até atingir um creme bem aveludado, antes de servir passe por um passe vite, porque o aipo e o alho francês por vezes deixam fios que incomodam. 

Num almofariz coloque o manjericão e pique até ficar em pasta, para ajudar vá adicionando pouco a pouco a colher de sopa de azeite em fio.

Sirva com o bacon partido grosseiramente, umas gotinhas do molho de manjericão e um pão de mistura.

Granizado de Melancia e limão


Férias para mim são duas coisas - dor de pés e barriga cheia. Acreditem ou não, seja que destino for estas são as duas palavras de ordem.

Em tempos disseram-me que mais tarde ou mais cedo com a convivência em casal, ia apanhar tiques do meu marido e ele meus. E não é que aconteceu! Podem não ser muitos, mas existem. Ele "apanhou" o meu sotaque à margem sul. Lembro-me como se fosse ontem a mistura de sotaques que ele tinha quando começamos a namorar, em pouco tempo começou apanhar o sotaque e desde então poucas são as pessoas que conseguem perceber que ele nasceu e cresceu em Paris até adolescência. 

Quanto a mim, "apanhei-lhe" a hiperatividade, se calhar é melhor não chamar assim com este nome tão forte... Mas parece mal dizer que ele basicamente tem o que se chama "bichos carpinteiros". Resumindo, não consegue estar mais de 1 hora no mesmo lugar. Se isto é grave? Já foi mais, agora já consigo dar a volta à situação e tentar que fique mais de 1 hora na praia, mas passadas essas duas horas até eu me quero ir embora. Férias no mesmo hotel durante mais de 5 dias é coisa que já nem eu consigo fazer. Acabamos por nos aborrecer e vamos nem que seja caminhar só por caminhar. Visitar museus, igrejas, subir não sei quantas escadas só para ver uma vista que lemos algures na internet que era fantástica, ir a uma loja de gelados na outra ponta da cidade. Enfim, ficar parados é que não dá. Os meus amigos dizem que quando formos pais, isto tudo mudará, confesso que tenho as minhas dúvidas, sei que muitas coisas mudarão, mas até lá vamos continuando à nossa maneira.

No entanto as refeições são sagradas, sejam elas uma leve salada ao almoço para aproveitar mais a piscina/praia, ou um jantar de largas horas. É impossível fazer férias sem engordar pelo menos um quilito, mas acho que no fundo espero o ano todo para comer dessa maneira!



E se há coisa que me faz lembrar férias são os granizados frescos. Este ano deixo-vos uma sugestão muito refrescante, não fosse a melancia uma das frutas mais frescas e minha preferida do verão.

Boas férias!

Ingredientes (1litro)
500g de melancia sem casca
sumo de 1 limão
1 litro de gelo picado
Adoçar a gosto
4 colheres de sopa de Vodka (opcional)

Numa liquidificadora junte a melancia com ou sem as sementes, esprema o sumo de um limão e passe tudo até ficar bem liquido. Caso seja impaciente como eu, e não tenha tirado os caroços à melancia, passe por um passe vite para tirar algum caroço que não se deixou picar e reserve.




Prove o sumo, caso sinta que a melancia não é suficiente doce, adoce a gosto com mel, acer, ou mesmo açúcar. Não se esqueça que vai juntar muito gelo o que fará o granizado ficar muito menos doce do que este sumo, por isso, tente balançar a seu gosto. A minha melancia era bem doce apenas tive que colocar duas colheres de chá para adoçar.

Num robot de cozinha pique os cubos de gelo até ficar uma neve.

Junto o sumo ao gelo, mexendo bem e sirva de imediato, bem fresco.

Para quem goste de um toque a vodka (não é o meu caso), regue por cima do granizado umas colheres de sopa em capa copo e ficará mais contente (diz ele).



Viva ao verão e às férias grandes.



Bolo de banana e chocolate


Mais uma semana que passou e eu por aqui tenho cozinhado pouco, mas quando digo pouco, não te preocupes mãe, porque tenho feito todas as refeição necessárias. Mas confesso que para o blog tenho andado péssima, as razões não são nada de preocupante. O sol fala mais alto aos fins de semana e tudo o que menos me apetece é ficar em casa a fotografar comida. Depois também ando numa fase em que gosto de voltar a comer as coisas que já publiquei, em vez de andar de volta dos livros a testar coisas novas, são fases e como o blog para mim tem sido e sempre será um prazer, se me sinto bem assim, é deixar andar como diz o meu marido.

Hoje trago um bolo que tinha algum tempo nos rascunhos para publicar, a receita foi tirada daqui, um blog Espanhol que adoro e muito tentador para quem gosta de bolos muito bonitos. Mas a primeira imagem que me captou atenção foi no instagram do mesmo blog, vi-a logo pela manhã e fiquei rendida. Como adoro tudo o que leva banana era impossível não a reproduzir. O chocolate já sabem que não é o meu forte, mas queria seguir a receita na integra e no fim até adorei o contraste com o bolo frutado. 

Uma boa semana!



Ingredientes:
326 g de farinha
433 g de açúcar
3 ovos L
3 bananas maduras
357 ml de buttermilk*
7 g de bicarbonato de sódio
4 g sal
7 ml de extracto de baunilha caseiro

Ganache de chocolate:
100 grs de pepitas de chocolate negro da Arcádia
100 grs de nata 

Pré aqueça o forno a 170º e unte uma forma com manteiga e farinha.

Numa tigela, esmague as bananas com ajuda de uma garfo até ficarem em puré. Noutra tigela, peneire a farinha, o fermento, o bicarbonato de sódio e o sal e reserve. 

Na batedeira, coloque a manteiga e o açúcar, e bata até obter um creme. Adicione os ovos, um a um sem deixar de bater. Adicione a baunilha, a farinha e o buttermilk*, alternando colher a colher. Comece com a farinha e acabe também com a farinha. Por fim adicione a banana, envolvendo muito bem apenas com uma espátula.
Coloque na forma e leve ao forno por 50 minutos, ou até fazer o teste do palito e o mesmo sair limpo. Retire do forno e deixe repousar numa grelha, ainda na forma durante 10 minutos.



Retire da forma com muito cuidado e deixe arrefecer por completo.

Caso queira fazer o ganache de chocolate, aqueça as natas e lentamente vá colocando os pedaços de chocolate por cima, sem deixar de mexer com a vara de arames até o chocolate derreter por completo.Verta o ganache ainda quente por cima do bolo. 

*Buttermilk: Adicione ao leite e 2 colheres de sopa de sumo de limão e deixe repousar 10 minutos até ficar coalhado.



Puré de batata e ervas aromáticas

A minha ligação com o puré já existe há muitos anos, lembro-me de ainda ser criança e dizer com muito orgulho que a minha comida preferida era puré. Depois lá vinha o espaguete e as batatas fritas com bife e ovo estrelado, como todas as crianças da minha geração. Raramente comia pizzas e hamburguers, porque naquela época não havia a fast food que há agora e onde havia acabava por ser um pouco longe de onde vivíamos.
Lembro-me de tantas vezes pedir à minha mãe para me fazer puré, do verdadeiro dizia eu, com uma máquina manual à manivela que deixava o puré muito aveludado. Acreditem que até hoje nunca consegui essa atingir consistência. Às vezes para o desenrasca faço puré na Bimby, mas a textura fica sempre um pouco mais liquida, é igualmente saboroso e dá para matar as saudades. Mas a maior parte das vezes faço como o que vos trago hoje, com aquele utensílio manual de esmagar batatas que parece uma colher achatada, onde metade das batatas ficam por esmagar, porque começo a ficar sem paciência e com alguma dor no braço.

Continuo a adorar puré, e agora particularmente adoro o puré mal esmagado, sei que é um puré preguiçoso, mas sabe maravilhosamente bem. Vi uma vez num programa do Jamie Oliver ele a fazer o puré desta maneira e pensei, se o Jamie faz é porque não é vergonhoso levar para a mesa um puré mal esmagado. Et voilá, não dá  muito trabalho e é uma solução rápida para quem não tem cá tempo para dar à manivela como fazia tão bem a minha mãe, disse fazia porque até ela já se rendeu ao esmagador de batata manual.


Deixo-vos a receita é muito rápida e saborosa, adoro o aroma das ervas frescas em quase todos os pratos e neste não é excepção. Antes aromatizei com um pequeno bouquet garni à moda francesa, um dente de alho e o sal d'espelette que eu tanto adoro.

Uma boa semana para todos com ou sem puré, do verdadeiro!



Um agradecimento especial à Le creuset por mais uma bonita panela.

Ingredientes: (6 pessoas)
1kg de batatas
1 dente de alho
100 ml de leite meio gordo
1 ovo
80g de manteiga
1 bouquet garni (3 talos de tomilho limão, 3 talos de coentros, 1 talo de mangericão)
sal d'espelette q.b.
2 colheres de sopa de ervas aromáticas a gosto (usei as mesmas do bouquet)
azeite q.b.

Comece por descascas as batas, colocar na panela e juntar-lhe o bouquet garni preso por uma corda e o sal, adicione o leite e o restante de água até cobrir a panela e leve ao lume até as batatas ficarem bem cozidas.



Retire do lume, escorra a água e esmague grosseiramente com o esmagador de batatas. Adicione um ovo e envolva muito bem, de seguida adicione a manteiga em cubos e volte a envolver.

Se não gostar do sabor do ovo cru, leve ao lume uns minutos com um pouco de leite para não se pegar ao fundo.



Pique as ervas frescas, envolta ao puré, regue com um fio de azeite e sirva com o que mais gostar. Eu confesso que comi a tigela da imagem só assim sem nada antes do almoço (pura gula).